Home Geral Sergio Moro aceita convite de Bolsonaro e será ministro da Justiça

Sergio Moro aceita convite de Bolsonaro e será ministro da Justiça

5 Primeira leitura
0
0
143

O juiz Sérgio Moro aceitou o convite para assumir a superpasta da Justiça no futuro governo de Jair Bolsonaro (PSL). A informação é do Estadão. Os dois se reuniram na manhã desta quinta-feira, 1º, no Rio de Janeiro. Na saída, o juiz estava acompanhado de Paulo Guedes, guru econômico do próximo presidente e futuro ministro da Economia.

O ministério pensado pelo próximo chefe do Executivo nacional prevê pasta mais abrangente, incluindo a área de Segurança Pública – que tem sob seu comando a Polícia Federal -, mais a Secretaria da Transparência e Combate à Corrupção, a Controladoria-Geral da União (CGU) e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O encontro ocorre três dias depois de Bolsonaro afirmar que pretende convidar o magistrado para assumir o ministério da Justiça. Moro é juiz da 13ª Vara Criminal de Curitiba, responsável pela primeira instância da operação Lava Jato, que condenou o ex-presidente Lula (PT).

Ministérios

Além da Justiça, algumas outras pastas serão fundidas, como a Economia, a ser comandada por Paulo Guedes. Ainda há definições a serem feitas, mas as junções de pastas será a tônica da reforma administrativa tocada pela equipe de Bolsonaro. A redução da estrutura do primeiro escalão foi uma promessa de campanha do presidente eleito.

No caso de unir Agricultura e Meio Ambiente, o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse na noite de quarta-feira, 31, que Bolsonaro ainda não definiu se vai unir em uma só pasta os ministérios. O recuo ocorre após protestos na Frente Parlamentar da Agricultura, a chamada bancada ruralista, que vê a ideia com desconfiança.

Pelo desenho atual, a gestão de Bolsonaro terá pelo menos 15 mistérios, o menor número desde o governo de Fernando Collor de Mello (1990 a 1992), que mantinha 16 estruturas.

Além da possibilidade de fusão entre Agricultura e Meio Ambiente, que ainda está em fase de avaliação, e da já anunciada unificação entre Fazenda, Planejamento, Indústria e Comércio Exterior, outra união envolve a Secretaria de Governo que deve se juntar à Casa Civil.

Outra mudança é a transferência da área de ensino superior para o Ministério de Ciência e Tecnologia, que terá à frente o astronauta Marcos Pontes, confirmado ontem por Bolsonaro. O Ministério da Educação, por sua vez, receberá a Cultura e o Esporte.

Permanecerão separados os ministérios da Defesa, Trabalho, Minas e Energia, Relações Exteriores, Saúde e o Gabinete de Segurança Institucional. A pasta dos Direitos Humanos perderá status e será incorporada ao Ministério do Desenvolvimento Social.

Redação O Povo Online/ IGOR CAVALCANTE

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Geral

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Campanha de Haddad declara que gastou 15 vezes mais do que Bolsonaro informou ao TSE

O candidato do PT a presidente, Fernando Haddad, declarou à Justiça Eleitoral despesas de …