Home Ceará 700 mil jovens cearenses não estudam, não trabalham e não procuram emprego

700 mil jovens cearenses não estudam, não trabalham e não procuram emprego

7 Primeira leitura
0
0
134
Foto: Edimar Soares

A primeira negação é a do nome – a identificação, o ser completo – por estar em uma área de vulnerabilidade social; outras negações vêm a partir daí: M. tem 25 anos, quatro filhos, a morte da mãe alcoólatra “afogada” em uma fossa e a memória do abuso sexual que sofreu do pai, mora em uma vila localizada na rua de terra sem saneamento, no Grande Bom Jardim, é cercada pelo nada dos terrenos baldios e do tempo que morou em abrigo. M. abandonou ainda a escola, na sétima série, e a sobrevivência é o sim que ela própria se dá: trabalhou como faxineira; fez marmitas, sequilhos e lanches; refez-se empregada doméstica; hoje; “negocia” eletrodomésticos seminovos. E até curar a crise intestinal de um dos filhos, M. adiou o sonho de montar um churrasquinho na esquina da vila.

A história essencial de M., contada por ela, é a extensão de uma pesquisa que faz uma ponte até o viver e o querer das juventudes que políticas públicas de inserção no mercado de trabalho ainda não alcançam. “Eles dizem não ao não” retrata pessoas entre 16 e 29 anos, do Grande Bom Jardim – periferia configurada como o quarto bairro mais vulnerável de Fortaleza e onde a juventude é a maior parcela de moradores (60%) – , que nem estudam, nem trabalham de maneira formal e nem estão procurando emprego, conhecidas como a Geração N: um universo de quase 700 mil jovens no Estado, segundo espelha o estudo.

A pesquisa foi encomendada pelo Instituto Dragão do Mar ao Laboratório das Artes e das Juventudes da Universidade Federal do Ceará (Lajus/UFC) e em parceria com o Instituto Oca. Cerca de 22% dos jovens moradores do Grande Bom Jardim nem estudam e nem trabalham (“nem, nem”); outros 14,4% nem estudam, nem trabalham e nem estão procurando emprego (“nem, nem, nem”). As mulheres são desse público, em relação aos homens, destaca a pesquisa.

Aproximando-se desse território, o estudo do Lajus/UFC entrevistou 150 pessoas, entre setembro e outubro de 2018: 54,4% dos entrevistados se identificam como jovens “nem, nem” e 45,6% como “nem, nem, nem”. Um dos dados que chamam a atenção revela que 47% dos jovens “nem-nem-nem” têm o fundamental incompleto. A baixa escolaridade impacta nas oportunidades de trabalho. A maior parte dessa Geração N local – 66,6% – é do gênero feminino e se reconhece parda ou preta – 79,33%.

O estudo chega às juventudes da periferia pelo mesmo caminho da vulnerabilidade social que as violências alcançam esses jovens. Um desafio inicial da equipe de sociólogos e antropólogos pesquisadores “foi o de transpor distâncias, desconfianças, recusas e assim ultrapassar abismos que parecem lançar essas/esses jovens para territórios inacessíveis, que se forjam de costas para as instituições e interlocutores ‘formais'”, descreve a socióloga Glória Diógenes, coordenadora do Lajus/UFC. Conduzidos por lideranças locais, pelo respeito e pela escuta, foi preciso ir até as fronteiras de vidas esgarçadas por negações de direitos e acuadas por medos cotidianos.

“Entre 2014 e 2018, o número desses jovens triplicou. O que é esse afastamento do mercado de trabalho e da escola? Fomos buscar as razões”, aponta Glória. Um dos pontos de chegada, ela demarca, é o desejo que os jovens da Geração N têm de trabalhar no que imaginam e não no que políticas públicas distantes oferecem a eles. E de cuidar uns dos outros – dos filhos, dos pais – como ainda não foram cuidados. “Que essa pesquisa possa avivar os sonhos, que esses sonhos possam ser traduzidos e ganhar lugar nas políticas públicas e nas escolas”, ecoa a socióloga.

LUGAR

Para a pesquisa “Eles dizem não ao não”, foram entrevistados jovens dos bairros Bom Jardim, Canindezinho, Granja Lisboa, Granja Portugal, Jardim Jatobá, Santa Cecília, Santo Amaro e São Vicente. Na região do Grande Bom Jardim, mora 8,33% da população de Fortaleza, considerou o estudo.

O Povo Online/ANA MARY C. CAVALCANTE

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Ceará

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Motoqueiro preso com arma de fogo por agentes penitenciários em Icó

Por volta das 17 horas deste sábado, 18, na CE 282, na localidade de Verdinha, região do C…