Home Ceará Chuvas irregulares provocam queda na colheita de grãos no Ceará

Chuvas irregulares provocam queda na colheita de grãos no Ceará

9 Primeira leitura
0
0
76

No início de cada ano, a Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) faz uma estimativa da colheita dos grãos ao fim da quadra chuvosa. Em 2019, o resultado verificado ao fim do período de chuvas ficou aquém da expectativa, que era de atingir 653 mil toneladas, um dos melhores índices já ansiados no Ceará.

A irregularidade das precipitações, de forma espacial e temporal entre fevereiro e maio, resultou em perda para a safra de grãos. Os fatores que ocasionaram esse cenário estão relacionados com a chuva. Na região Norte (Ibiapaba, Sobral e Baixo Acaraú) os prejuízos foram causados por excesso de precipitações. No Sertão Central, Inhamuns, Centro-Sul e Cariri, por escassez de água.

Frustração

“Se não fossem os veranicos, teríamos uma das maiores safras da história do Ceará”, pontua o titular da SDA, De Assis Diniz. A agrônoma da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ceará (Ematerce), Gecilda Correia Nunes, que faz o relatório sobre a situação de produção da safra de grãos de sequeiros, descreve a frustração no plantio. “Neste ano, tivemos perda média, até o momento, de 25,84% em relação ao esperado no início do ano”, pontuou. Esse indicador pode chegar, após a finalização do relatório, à marca de 30% de perda, se comparado ao prognóstico do início do ano.

A região do Cariri foi uma das que registraram maior índice de perda. Em Brejo Santo, por exemplo, a frustração da safra de milho chega a 87% e de feijão de corda, 65%. Já em Jardim, no extremo Sul do Ceará a média de perda é de 90%. “Tivemos uma perda significativa”, observou o gerente regional da Ematerce, José Dias Ferreira. “Foi um desastre”.

No Cariri, as chuvas chegaram tarde, a partir da segunda quinzena de março. O agricultor Francisco Lima plantou três hectares de milho e feijão na localidade de São Felipe.

“O inverno atrasou muito e perdi praticamente tudo”, disse. “Não tirei cinco sacas de 60 quilos no todo”.

O presidente da Ematerce, Antônio Amorim, destacou o prejuízo econômico para a região. “No Cariri, que historicamente tem larga produção de grãos, as perdas foram muito elevadas e isso vai impactar a economia local, com menos dinheiro circulando nas cidades”, avaliou.

No Médio Jaguaribe, a perda média estimada de grãos é de 10%. Em Alto Santo, chega a 23% a frustração de safra. “A cultura do milho foi a mais afetada”, disse João Alves de Menezes, coordenador regional da Ematerce em Jaguaribe.

Nas regiões Jaguaribana e no Centro-Sul cearenses, a maior dificuldade é a escassez de água nos açudes. “Não tivemos recarga nenhuma”, disse Menezes. Em Iguatu, a perda média de milho é de 27% e a de feijão 22%, mas em Quixelô é mais elevada: milho chega a 35% e feijão, 27%. “Os técnicos estão em campo avaliando a situação após a quadra invernosa, por isso que os dados ainda são parciais”, explicou o gerente local da Ematerce, Erivaldo Barbosa. “As chuvas foram muito irregulares e há distritos com perdas muito elevadas, como a região de Riacho Vermelho”.

Outros municípios da região, como Quixeramobim, Quixadá, Solonópole, Piquet Carneiro e Mombaça, apresentaram perda média de 20% nas duas principais culturas: milho e feijão-de-corda. “Tivemos dois grandes veranicos que impediram o crescimento do plantio”, observou o gerente regional da Ematerce, Francisco Albany Rolim. “E a situação mais complicada é a falta de água nos açudes”.

Excesso de água

Gecilda explica que o excesso de chuva provoca queda das flores e apodrece os grãos, contribuindo para a perda da lavoura. “Em pelo menos nove das 18 regiões do Estado, tivemos veranicos e isso afetou o desenvolvimento do plantio”, explicou. “Na região do Baixo Acaraú houve perda porque choveu muito”.

O gerente local da Ematerce em Tianguá e em Viçosa do Ceará, na região da Ibiapaba (Serra Grande), Anselmo da Cruz Filgueira, explicou que não haverá perda para o milho. Mas, para o cultivo de feijão, a safra prevista inicialmente deve cair em torno de 30%.

Em Tianguá, por exemplo, a média pluviométrica é de 1.200 milímetros, mas foram observados, durante a quadra chuvosa, 1.500mm. O mesmo ocorreu nas regiões de Acaraú e Coreaú: frustração de safra em decorrência do excesso de umidade no solo. “As plantas ficam apodrecidas”, frisou Filgueira. Em Apuiarés, os agricultores reduziram as suas áreas, pois ficaram temerosos de que o feijão viesse apodrecer devido ao excesso de chuvas. “Poderíamos ter uma safra bem melhor, mas houve irregularidade, veranicos e até perda por excesso de água”, pontuou Amorim.

Diário do Nordeste

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar mais por Ceará

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja Também

Festival Junino será realizado em Icó neste dia 18

Nesta terça-feira (18), na quadra do Centro Social Urbano (CSU), será realiza mais uma edi…